Moradores transformam área com 16 toneladas de lixo em Parque Ecológico no Rio de Janeiro

Postado por ilustra em 19/jan/2016 - Sem Comentários

Os amigos Mauro Quintanilha, 53, Paulo César de Almeida, 52, e Thiago de Sousa, 32, são os responsáveis pela transformação no Morro do Vidigal. Desde a década de 1980, grande parte do lixo da região era descartada na área. Em 2005, inconformados com a situação, o trio resolveu limpar a área com as próprias mãos e foram até motivo de piada.

Lixao-Rio-de-Janeiro

A área que antes era usada como lixeira por moradores da favela, contava com resíduos domésticos, eletrodomésticos e móveis velhos, pneus, vasos sanitários, garrafas PET e potinhos, conta atualmente com um espaço com horta e árvores frutíferas (tudo na cultura orgânica, sem a necessidade de agrotóxicos).

Gentilez-Urbana

O local é um terreno íngreme, com cerca de 40 mil metros quadrados ­­(o equivalente a cinco gramados do Maracanã). Apesar de pertencer à prefeitura, acabou virando um parque público sob gestão da população local. Foram plantadas árvores da Mata Atlântica e parte do lixo foi reciclado, ganhando utilidade no próprio parque, que também recebeu tratamento paisagístico. Tucanos, macacos, gambás e o pássaro Tiê-sangue — que inspirou o nome do espaço, batizado de Sitiê — são agora frequentadores assíduos.

Com tamanha mudança, o Sitiê foi reconhecido como a primeira agro-floresta do Rio de Janeiro pela Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal, denominação dada a locais onde trechos de mata nativa se alternam com terrenos cultivados, num conjunto de parque ecológico com parque educativo.

Educação-Parque-Sitiê-RJ

São atitudes como esta que mostram que, trabalhando em comunidade, conseguimos transformar o mundo em um ambiente muito melhor!

 

Deixe uma resposta

Onde estamos?

Patos de Minas - Minas Gerais

Rua Dores do Indaiá, 17 – 5º Andar - Centro

Contato

contato@cidadequequeremos.com.br

34 3823-3991

Redes Sociais
Copyright 2016. Todos os direitos reservados.

Gentileza